6 dicas para elaborar a melhor peça processual - Notícias CERS

6 dicas para elaborar a melhor peça processual

Confira nossas dicas para obter melhores resultados nos concursos

Por:
Atualizado em 07/02/2020 - 17:36

A redação da peça processual é uma das principais dificuldades enfrentadas por estudantes de Direito. É preciso muita prática e dedicação para dominar a arte da escrita. O caminho ideal é criar uma rotina de treinos contínuos e hábitos de leitura.

Você pode se interessar por: Português Jurídico é essencial para Operadores do Direito.

 É importante dominar a forma como seus pensamentos são expostos. Neste caso, suas palavras serão interpretadas pelo interlocutor por meio da leitura. Se sua redação não for clara e de fácil compreensão, corre-se um sério risco de você ser mal (ou não ser) compreendido.

Como algumas atividades (ler, pensar, escrever) estão íntima e diretamente ligadas, podemos supor que quem escreve mal, pensa mal e lê mal (ou não lê). Ler, portanto, é fundamental para escrever bem. Porém, a leitura não basta para melhorar a redação. É preciso compreender o que foi lido, as ideias por trás das palavras. Assim como, saber passar o pensamento ao leitor. 

Confira nossas dicas, para lhe ajudar a elaborar a melhor peça processual possível.

1. Organize suas ideias

Antes de iniciar sua peça, é interessante que elabore um esquema com as principais ideias. Tente pensar no esqueleto do tipo de peça que irá desenvolver. Desta forma, não deixará que nada passe batido e, ao visualizar as divisões, conseguirá organizar seus argumentos. 

Dividir a peça processual em temas e subtemas é uma maneira de deixá-la organizada. Isto poupa o tempo do leitor e o ajuda a acompanhar seu raciocínio. Não escreva demais em um tópico só, pois isso acaba cansando o examinador. 

2. Linguagem Clara

Na redação de uma peça processual, existem alguns termos técnicos próprios que devem ser preferencialmente utilizados. Não há motivos para o uso de linguagem cotidiana quando há, na linguagem jurídica, um termo técnico correspondente.  

Outra dica é evitar, sempre que possível, as abreviaturas, como por exemplo, “Exmo.”, “r.”, “p. P.” e outras. 

3. Objetividade na Peça

É importante que sejam transcritos para a peça processual apenas os fatos que tenham relevância jurídica. Escrever demais nem sempre é a melhor forma de alcançar uma boa nota. Uma peça objetiva e completa vale mais que mil palavras.

Caso você não tenha muito conhecimento do assunto, tente ao menos transcrever o texto legal alterando alguns pontos. Desta forma, você não deixará um ponto do espelho de correção totalmente em branco. 

Por mais que sua peça deva ser objetiva, não deixe de apostar em jurisprudências, Súmulas e doutrina. Isto enriquece seus argumentos. 

4. Conhecimento Técnico

Como dito linhas acima, é salutar saber argumentar e transmitir suas ideias de forma clara. Também é importante ter conhecimento técnico sobre a estrutura da peça. 

Conhecer, decorar e aprender o esqueleto das peças é importantíssimo para que você consiga se sair bem na prova.  

Imagine receber a prova, ler o estudo de caso e não conseguir identificar qual a peça cabível. Ou identificar a peça e errar sua estrutura. Isso pode comprometer seu desempenho na prova.

5. Revise sua Peça

Sempre deixe um tempinho a mais para que possa revisar sua peça.  

Por mais que você se esforce, sempre haverá erros gramaticais, ortográficos e materiais. O trabalho de revisão busca justamente reduzir essas falhas. 

Ademais, ao revisar sua peça processual, você poderá identificar se algum argumento não está claro. Também será possível adicionar argumentos, o que pode enriquecer sua peça. Tais alterações podem alavancar sua nota.  

6. Cuidado com a caligrafia

Outra dica fundamental é ter cuidado com a letra. Os examinadores não vão perder tempo tentando decifrar letras difíceis. De nada adianta o conteúdo ser excelente, se estiver com uma letra de difícil compreensão.

Logo, procure escrever sempre da forma mais legível possível.

Preparação

Simulados: prática essencial na rotina de qualquer concurseiro, especialmente para uma 2ª fase. Por quê? Porque ter um excelente conteúdo não basta. É necessário ser célere, assertivo, organizado e estratégico. E esse nível de segurança só se adquire com muita prática. Afinal, treino difícil, prova fácil! E é para isso que a Ad Verum está aqui: somos a sua preparação de elite. Conheça nossos cursos de rodadas de simulados e saia na frente!

 

Tags relacionadas: