Confira dicas de seis aprovações em concursos públicos - Portal de notícias CERS

Confira dicas de seis aprovações em concursos públicos

Aluna CERS conta como se mantém motivada para realizar o sonho da magistratura

Thaísa Moraes
Por:
Atualizado em 16/03/2018 - 10:01
Descubra o segredo da aprovação!

Você está precisando de um incentivo para manter o foco nos estudos? Conheça a história da nossa aluna Clélia Merloni de Almeida. A vilhenense de 32 anos tinha apenas 18 quando decidiu estudar para concurso público. Após 14 anos, já acumula seis aprovações e se mantém motivada para conquistar a aprovação dos seus sonhos. Clélia quer ser juíza! Quer saber como ela se mantém tão motivada e conquistando aprovações?

Você pode se interessar por: Acredite em você, você também!

 

Confira a nossa entrevista:

1) De onde surgiu a vontade de cursar Direito?

Na adolescência eu tinha muita dificuldade em decidir. Da Medicina ao Jornalismo, eu tinha interesse em bastante coisa, mas não sabia exatamente o que eu queria. Só fui descobrir quando, no 3º ano do ensino médio, às vésperas do prazo de inscrição para o vestibular, resolvi analisar a grade de disciplinas de vários cursos. Foi aí que me encantei com a pluralidade do Direito, não só pelas suas áreas específicas, mas pela atuação política, social e formação humanística do currículo.

 

2) Por que você resolveu estudar para concurso público?

As famílias dos meus pais tiveram origem simples e poucos haviam conseguido estudar e obter uma vida um pouco mais confortável quando eu ainda era estudante. Por isso, meus pais incentivaram a mim e meu irmão (hoje, auditor do TCU) a seguirmos sempre firmes nos estudos. Esse estímulo somado ao fato de meu ter sido funcionário do BB por cerca de 15 anos, foram grandes estímulos para mim. Pois vi, com isso, que meu pai obteve uma realização pessoal em conseguir atingir um objetivo (trabalhar numa carreira que gostava) e trouxe mais perspectivas para todos.

 

3) O que você sentiu quando obteve sua primeira aprovação?

Foi mágico! Porque passei em um concurso em que até tive que fazer um teste físico, para o qual e preparei com certo desânimo, já que correr não era o meu forte. Mas deu tudo certo e fui nomeada ainda no 3º ano da faculdade. Foi um sonho ter atingido aquele objetivo. Eu me vi com um salário bem maior do que o que muitos colegas, já formados, viriam a ganhar anos depois. Vi também que meu esforço havia sido reconhecido. Mas, mais que isso, me senti uma mulher corajosa por não ter desistido e me senti capaz. Senti que havia em mim uma energia realizadora maior do que eu imaginava quando comecei a estudar.

 4) Você estuda para concurso público desde os 18 anos. Comente brevemente a sua trajetória enquanto concurseira.

O primeiro concurso que fiz foi um do INSS, quando tinha acabado de sair do ensino médio. Em seguida, percebi que eu deveria alinhar meu foco mais aos concursos jurídicos, considerando minha faculdade. Aí passei a analisar quais as oportunidades de concursos para uma recém ingressante na faculdade. Foi então que descobri os concursos de tribunais. Me identifiquei com a Justiça do Trabalho (onde atuo até hoje, como analista), pois tem um viés social. É a realidade de muitas pessoas que podemos analisar nos processos. Afinal, um trabalhador geralmente passa pelo menos 1/3 de sua semana em função do trabalho. Fiquei alguns anos como auxiliar judiciária no TRT da 9ª Região (PARANÁ). Ao longo da faculdade, ainda fui aprovada em outros concursos (COPEL, CEF e UFPR), mas estava satisfeita no TRT. Depois de formada, fiz especialização, e então voltei aos estudos para o cargo de analista. Em 2011 prestei o concurso do TRT 23ª para o qual fui nomeada no final de 2012. Assumi meu cargo em Cuiabá e depois vim, por remoção e redistribuição, para o TRT da 2ª Região, onde estou até hoje. Já passei por cargos de assistente, chefe de Gabinete e hoje sou Assessora. Com essa trajetória, comecei a perceber que posso ir ainda mais longe, na Magistratura.

5) Qual o maior desafio de ser uma concurseira?

São vários, mas o maior deve ser manter a motivação, diante de tanto fatores contrários ao estudante como a falta de tempo, ou de recursos financeiros para investir nos estudos. A perspectiva política sobre novos concursos e carreiras tbm deve influenciar na motivação de muita gente. Leia também: 5 dicas de como estudar para concurso público sem gastar muito

6) Você tem apoio para manter o foco nos estudos? De quem?

Meus pais sempre foram um ponto de apoio muito consistente para manter em foco. Via em ambos um grande exemplo de dedicação e de vontade. Além disso, meu irmão também sempre foi uma referência, pois também passou pelos concursos. Nunca faltou, ainda, o apoio de amigos e, felizmente, sempre me relacionei com pessoas que me incentivaram. E essa rede de apoios, em todos os lugares, fez com que eu mantivesse o foco nos meus estudos e acreditasse mais em mim.

7) Aonde você quer chegar?

Hoje não apenas quero ir mais longe na carreira (magistratura), mas também quero fazer mais pela sociedade. Como servidora pública, sinto o dever e a obrigação de SERVIR ao público. De doar, mais do que ganhar. De poder ser útil para a sociedade onde eu estiver. Não deixe de ler: Como realizar o sonho de se tornar magistrado.

8) Por que você escolheu o CERS?

Eu sempre gostei de estudar sozinha e no meu tempo. Quando passei no meu primeiro concurso, nos idos de 2004, não havia muitos cursos online pelo que eu sabia e tive que estudar em um presencial. Foi bom! Mas eu sentia que pra mim era difícil seguir aquele ritmo, daquele jeito, naqueles dias dos cursos. Eu queria ter mais dinamismo nos meus estudos. Foi assim que para passar no cargo de analista, eu resolvi testar um curso de resolução de questões do CERS e adorei. Estudava algumas horas todos os dias em alguns meses e consegui ser aprovada. Mais recentemente, em 2017, voltei a fazer o curso para a magistratura e obtive uma boa pontuação, embora não tenha sido aprovada. Estudei poucos meses, então devo estudar um pouco mais da próxima vez!

Conheça os cursos do CERS aqui.

9) Deixe um recado para alguém que está estudando para concurso público e precisa de um incentivo.

Acredito que todo mundo é capaz de ir mais longe e que para toda ação há uma reação. Então, comece confiando em você mesmo, mas não deixe de colocar a mão na massa. O resultado só vem com o trabalho, e vale a pena! E certa vez algum professor disse que: “só não será aprovado, aquele que desistir de estudar”. O caminho pode ser longo, mas uma hora ele acaba! Confio em todos vocês que estão aí na luta pelo seu sonho e pela realização pessoal. Sua hora vai chegar!!!

Confira: Dicas de estudo para concurso público.

 

Mais sobre Cléclia Almeida

Clélia Merloni de Almeida é natural da cidade de Vilhena, no estado de Rondônia.

É graduada em Direito e atua como Analista do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo.

Já conquistou seis aprovações em concursos públicos.

Quer ser juíza.

Segue confiante na conquista da magistratura, junto com o CERS!

COMENTÁRIOS