Magistratura: Como funciona a carreira de Juiz? - Portal de notícias CERS

Magistratura: Como funciona a carreira de Juiz?

Conheça a estrutura do Poder Judiciário brasileiro e saiba mais sobre a carreira de Juiz

Por:
Atualizado em 15/07/2019 - 11:48
shutterstock_122185735-1

Quando se pensa nas carreiras relacionadas ao Direito, em regra, duas vem em mente: uma delas é o Advocacia; a outra, a carreira de Juiz.  De maneira geral, todos têm uma ideia geral acerca da função desempenhada pelos Magistrados, qual seja, a de decidir as ações judiciais propostas pelas pessoas físicas ou jurídicas.  Contudo, o Poder Judiciário brasileiro é bastante complexo, e, para entender melhor os detalhes da carreira, é importante conhecer essa estrutura. 

 

A estrutura do Poder Judiciário

Órgãos do Poder Judiciário

A estrutura do Poder Judiciário está prevista na Constituição da República. Ela dispõe sobre os órgãos do Poder Judiciário, a competência desses órgãos, o ingresso na carreira de Juiz, bem como as garantias e vedações dessa carreira. Segundo a Constituição, portanto, são órgãos do Poder Judiciário:

1) O Supremo Tribunal Federal (STF);

2) O Conselho Nacional de Justiça (CNJ);

3) O Superior Tribunal de Justiça (STJ); 

4) O Tribunal Superior do Trabalho (TST); 

5) Os Tribunais Regionais Federais (TRFs) e os Juízes Federais;

6) Os Tribunais e Juízes do Trabalho; 

7) Os Tribunais e Juízes Eleitorais; 

8) Os Tribunais e Juízes Militares; 

9) Os Tribunais e Juízes dos Estados (TJs) e do Distrito Federal. 

Competência dos órgãos judiciários

Conhecidos os órgãos do Poder Judiciário, é possível compreender a divisão das competências de cada órgão. As competências podem ser entendidas, em síntese, como as matérias, os temas ou assuntos que cabe a cada órgão analisar. Para fins de competência, portanto, a Justiça é dividida em Justiça Comum e Justiça Especializada. 

A Justiça Especializada abarca os temas relacionados à matéria Trabalhista, Eleitoral e Militar. Ou seja, os órgãos da Justiça Especializada são  os Tribunais e Juízes do Trabalho, os Tribunais e Juízes Eleitorais e os Tribunais e Juízes Militares. À Justiça Comum, por sua vez, compete os demais temas. É dividida em Justiça Federal e Justiça Estadual. 

A Justiça Federal, de modo sintético, julga as causas em que a União, entidade autárquica ou empresa pública federal forem interessadas na condição de autoras, rés, assistentes ou oponentes, exceto as de falência, as de acidentes de trabalho e as sujeitas à Justiça Eleitoral e à Justiça do Trabalho. 

A Justiça Estadual tem competência residual. Ou seja, julga as causas cuja competência não é atribuída à Justiça Federal. 

Para melhor explicar, vale um exemplo. Se ocorre um acidente entre dois carros particulares, e do acidente decorre um dano, o Poder Judiciário poderá ser acionado para a exigência da reparação civil em virtude dos prejuízos causados. Nesse contexto, a Justiça competente será a Justiça Comum Estadual. Se, por outro lado, um dos carros pertencesse à União, a Justiça competente seria a Justiça Comum Federal. 

Os Juízes são, via de regra, aqueles que primeiro analisam as ações judiciais, enquanto os Tribunais possuem competência recursal, ou seja, analisam os recursos que são interpostos contra as decisões dos Juízes.

De maneira bastante resumida, essa é a estrutura do Poder Judiciário brasileiro. Com esse conhecimento, já é possível entender melhor a carreira dos Juízes. 

 

O ingresso na carreira

O ingresso na carreira se dará no cargo de juiz substituto, mediante concurso público de provas e títulos, com a participação da Ordem dos Advogados do Brasil em todas as fases. Exige-se que o candidato seja bacharel em direito e possua, no mínimo, três anos de atividade jurídica. 

1) Qual órgão é responsável pela organização dos certames? 

Os concursos para magistratura são organizados pelos Tribunais aos quais os juízes são vinculados. Desse modo:

– Concursos para Juiz de Direito (Juiz Estadual): São organizados pelos Tribunais de Justiça de cada Estado. 

– Concursos para Juiz Federal: São organizados pelos Tribunais Regionais Federais. 

– Concursos para Juiz do Trabalho: São organizados pelos Tribunais Regionais do Trabalho. 

– Concursos para Juiz-Auditor Militar: São organizados pelo Superior Tribunal Militar. 

E os Juízes eleitorais? Não há concurso para Juiz Eleitoral. Isso porque a função eleitoral é exercida por Juízes de Direito, nos termos da Lei. 

2) Estrutura dos concursos

– Prova Objetiva: Composta por questões, que podem ser de múltipla escolha ou verdadeiro ou falso.

– Prova Discursiva: Via de regra, as provas discursivas para Juiz são compostas por questões discursivas sobre determinados assuntos e provas para elaboração de sentenças.

– Prova Oral: Trata-se de arguição oral do candidato realizada pela comissão do concurso sobre o conhecimento técnico acerca das matérias cobradas. Avalia-se, em regra, o domínio do conhecimento jurídico, a adequação da linguagem, a articulação do raciocínio, a capacidade de argumentação e o uso correto do vernáculo. 

– Avaliação de Títulos

Há ainda, entre a prova discursiva e a prova oral, a inscrição definitiva. Este é o momento em que o candidato deverá comprovar o exercício da atividade jurídica por, no mínimo, três anos. 

Ficou interessado? Confira aqui os próximos concursos para Magistratura Estadual!

 

Garantias e vedações da carreira

 São garantias dos Magistrados: a vitaliciedade, a inamovibilidade e a irredutibilidade de subsídio. 

Ser vitalício significa que o Juiz, após dois anos de exercício, apenas poderá perder o cargo por sentença judicial transitada em julgado. 

A inamovibilidade, por sua vez, significa que o Magistrado não poderá ser removido, a não ser por interesse público, por voto da maioria absoluta do respectivo Tribunal ou do CNJ, desde que lhe seja assegurada a ampla defesa. 

Por fim, a irredutibilidade de subsídio garante que o subsídio do juiz não poderá ser reduzido. 

De maneira geral, essas garantias visam assegurar que o Magistrado desempenhe suas funções com a maior liberdade possível, objetivando sempre o cumprimento do Direito e da Justiça. 

Há, neste mesmo sentido, atividades que são vedadas aos magistrados. Tais vedações visam garantir que as decisões dos magistrados sejam efetivamente imparciais. Confira abaixo o que é vedado ao Juiz:

– Exercer, ainda que em disponibilidade, outro cargo ou função, salvo uma de magistério;

– Receber, a qualquer título ou pretexto, custas ou participação em processo;

– Dedicar-se à atividade político-partidária.

– Receber, a qualquer título ou pretexto, auxílios ou contribuições de pessoas físicas, entidades públicas ou privadas, ressalvadas as exceções previstas em lei; 

– Exercer a advocacia no juízo ou tribunal do qual se afastou, antes de decorridos três anos do afastamento do cargo por aposentadoria ou exoneração.  

Em termos gerais, essas são as principais informações acerca da Carreira de Juiz. Ficou interessado? Então não perca tempo e inicie a sua preparação. 

 

Quer se preparar com antecedência?

Conheça o CERS Play Carreira Jurídica Premium, o plano de assinaturas do CERS que vai revolucionar os seus estudos! Além de cursos preparatórios completos para as diversas Carreiras Jurídicas do país, você poderá desfrutar de benefícios e ferramentas exclusivas de estudo inteligente.

Clique aqui e descubra porque o CERS Play é a evolução da assinatura!

Tags relacionadas: