Termina em acordo audiência entre trabalhadores da Codevasf e empresa - Portal de notícias CERS

Termina em acordo audiência entre trabalhadores da Codevasf e empresa

Por:
Atualizado em 18/08/2014 - 01:04

Representantes dos funcionários da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) e da empresa fecharam hoje (13) de manhã um acordo salarial. A conciliação saiu já na primeira audiência no Tribunal Superior do Trabalho.

Os empregados queriam 12% de aumento salarial, mas a empresa só aceitava pagar 5,04%. Com a mediação do vice-presidente do TST, ministro Milton de Moura França, as partes aceitaram 7% de reajuste nos salários, retroativo a 1º de maio deste ano. O auxílio-alimentação pago aos trabalhadores também vai passar de R$ 334,00 para R$ 374,00, e o auxílio-creche vai subir de R$182,00 para R$ 200,00. Durante a audiência, o ministro Moura França destacou a importância da conciliação para as partes envolvidas no conflito e a sociedade.

Depois de tentativas frustradas de negociações com a Codevasf, os trabalhadores fizeram paralisação no dia 16 de julho. A categoria não entrou em greve, mas ajuizou dissídio coletivo no TST para pôr fim ao impasse com a empresa.

O gerente da Codevasf, João Honório Ramos, explicou que a empresa aceitou a proposta feita pelo TST depois de receber autorização do governo federal para pagar o reajuste de 7% – o mesmo concedido aos empregados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

O acordo ainda precisa ser votado nas assembléias dos trabalhadores. Segundo o presidente do sindicato da categoria, Valter Endres, a proposta deve ser aprovada sem dificuldades. São aproximadamente 1.650 trabalhadores que atuam em sete estados do País: Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Piauí e Maranhão. A sede da empresa fica em Brasília. Os funcionários desenvolvem projetos de irrigação e produção agropecuária nas regiões do Vale do São Francisco e do Parnaíba.
No próximo dia 19 (terça-feira), às 10 horas, haverá novo encontro entre as partes no TST, quando o acordo deve ser homologado.

(Lilian Fonseca)

Tags relacionadas:

COMENTÁRIOS