Possibilidade de esquecimento não é justificativa plausível para produção antecipada de prova testemunhal - Portal de notícias CERS

Possibilidade de esquecimento não é justificativa plausível para produção antecipada de prova testemunhal

Por:
Atualizado em 16/11/2015 - 14:45

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal decidiu que é incabível a produção antecipada de prova testemunhal (art. 366 do CPP) fundamentada na mera possibilidade de esquecimento dos fatos, sendo necessária a demonstração do risco de perecimento da prova a ser produzida (art. 225 do CPP).

Esse foi o posicionamento da Segunda Turma ao conceder habeas corpus para reconhecer a nulidade de prova testemunhal produzida antecipadamente. A produção antecipada da referida prova apresentava como justificativa que “as testemunhas são basicamente policiais responsáveis pela prisão, cuja própria atividade contribui, por si só, para o esquecimento das circunstâncias que cercam a apuração da suposta autoria de cada infração penal”.

Por fim, os ministros determinaram o desentranhamento dos respectivos termos de depoimento dos autos.
HC 130038/DF, rel. Min. Dias Toffoli, 3.11.2015. (HC-130038)

Você pode se interessar por:

Curso Carreiras Jurídicas 2015 – Módulos I e II

Curso de Resolução de Questões Objetivas e Subjetivas para Carreiras Jurídicas 2015

Tags relacionadas:

COMENTÁRIOS