OAB manda FGV refazer correção das provas do Exame de Ordem - Portal de notícias CERS

OAB manda FGV refazer correção das provas do Exame de Ordem

Por:
Atualizado em 18/08/2014 - 01:04

O presidente nacional da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Ophir Cavalcante, determinou nesta quarta-feira (8/12) que a FGV (Fundação Getulio Vargas) –responsável pela aplicação do Exame de Ordem– refaça a correção das provas da 2ª fase do segundo exame de 2010.

 

A nova correção pode alterar a lista de aprovados na avaliação, divulgada na última segunda-feira (6/12). O Exame de Ordem seleciona os bacharéis em direito aptos a exercer a advocacia.

 

A decisão ocorreu após diversas falhas terem sido identificadas nos espelhos de correção e no sistema de pontuação da prova pratico-profissional realizada no último dia 14 de novembro. Mais de 100 mil estudantes se inscreveram, no entanto, apenas 12% dos candidatos passaram no exame.

 

Por meio de nota, a OAB disse que o objetivo da medida é garantir que o equívoco se deu apenas na divulgação dos espelhos por parte da FGV e não na correção das provas. “Determinei a recorreção para garantir que não haja qualquer prejuízo a nenhum dos candidatos e em face de nosso compromisso com a lisura e segurança do Exame, em respeito aos estudantes de Direito e à sociedade”, disse Ophir.

 

A anulação da correção era apontada por especialistas como a única saída diante dos problemas encontrados. A reportagem de Última Instância entrou em contato com o Conselho Federal da OAB, mas ainda não há confirmação sobre a alteração do prazo para recursos ou a divulgação do resultado final do Exame, que estava previsto para o dia 23 de dezembro.

 

Falhas

 

De acordo com Maurício Gieseler, um dos coordenadores do Portal Exame de Ordem, os espelhos de correção divulgados pela FGV não foram claros, gerando uma interpretação ambígua das respostas. O padrão de contagem das notas também apresentou erros. “Nas peças de tributário, por exemplo, esqueceram de atribuir ponto para a conclusão, para o pedido da peça”, colocou Gieseler.

 

Além disso, nem todos os itens que constam como critério de avaliação no provimento 139/6, que regulamenta a aplicação do exame da ordem, foram contemplados pelos espelhos da FGV.

Tags relacionadas:

COMENTÁRIOS