Grupo Móvel resgata 16 trabalhadores em São José do Xingu (MT) - Portal de notícias CERS

Grupo Móvel resgata 16 trabalhadores em São José do Xingu (MT)

Por:
Atualizado em 18/08/2014 - 01:04

Operação do Grupo móvel de Fiscalização resgatou 16 trabalhadores em condiçoes degradantes no município de São José do Xingu, Mato Grosso. A equipe de fiscalização encontrou os trabalhadores na fazenda Reunida alojados em três barracos de lona. Um casal foi encontrado morando dentro de um galinheiro. Eles trabalhavam nas atividades de cerqueiro, no desmatamento, no corte de lascas e em uma obra de alvenaria. Além da falta de condições de moradia, os trabalhadores não tinham a carteira assinada pelo empregador.

O proprietário da fazenda, José Carlos Ramos Rodrigues, terá de pagar a cada um dos ex-empregados o equivalente a R$ 2,5 mil a título de dano moral individual além das verbas rescisórias, totalizando a importância de cerca de R$ 80 mil. O procurador do Trabalho Raulino Maracajá Coutinho Filho, que compõe o grupo, deverá cobrar dano moral coletivo.

O grupo especial de fiscalização móvel estadual foi criado pela Superintendência Regional do Trabalho de Mato Grosso e para essa operação foi composta por seis auditores fiscais, seis patrulheiros da Polícia Rodiviária Federal (PRF), um procurador do trabalho, um servidor do Ofício de Corumbá e um motorista do Ministério do Trabalho e Emprego. A fiscalização começou no dia 9 de junho. Já foram fiscalizadas cinco fazendas, sendo três delas localizadas na região de Água Boa e duas na região de Confresa. Nas outras propriedades foram encontrados trabalhadores sem carteira de trabalho assinada.

Carro apedrejado

O carro usado pelo grupo móvel para fazer a fiscalização teve o pára-brisa quebrado e a capota amassada por pedras, enquanto estacionava na garagem do hotel onde grupo ficou hospedado. O carro pertence ao Ministério Público do Trabalho.

A polícia militar daquele município informou que um homem ligou para aquela unidade dizendo ter sido ele quem jogou as pedras no carro e fez ameaças de morte aos integrantes do grupo móvel e ao presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais. Na quinta-feira, 19, o Centro Integrado de Operações Policiais (CIOP) recebeu outra ligação de um homem dizendo estar arrependida do que fez. O meliante ainda não foi identificado pela polícia.

Fonte: Assessoria de Comunicação Social da Procuradoria Regional do Trabalho da 23ª Região (MT)

Tags relacionadas:

COMENTÁRIOS