Grande rotatividade em cargos da administração pública - Portal de notícias CERS

Grande rotatividade em cargos da administração pública

Por:
Atualizado em 18/08/2014 - 01:04

Postado por Ana Laranjeira      
Fonte: Eu Estudante | Mariana Niederauer  

A administração pública brasileira começa a sentir uma tendência que já atinge as empresas privadas: a rotatividade de funcionários. Em Brasília, apelidada de capital dos concursos públicos, a situação é percebida com mais força por causa da grande oferta de vagas e da concentração de órgãos da administração direta, mais suscetível a essa migração de servidores à procura do cargo ideal. A estabilidade e os salários — mais altos na média do que os oferecidos no setor privado — garantem que a taxa se mantenha baixa. Porém, a remuneração não é a única motivação para o trabalhador e a administração pública precisa investir na profissionalização da gestão para garantir a manutenção dos funcionários.

De acordo com dados do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, nos últimos cinco anos, houve 148,7 mil ingressos e 10 mil saídas por posse em outro cargo, o que significa uma rotatividade de 6,7% nos cargos públicos do Poder Executivo Federal. O ministério considera que o índice é baixo e está sob controle. Um dos motivos apontados é a legislação, que permite a nomeação de candidatos aprovados e não convocados ultrapassar em até 50% o total de vagas ofertadas. Porém, a regra vale apenas durante o período de validade do concurso público.

Falta vínculo   
Para o professor do Departamento de Administração da Universidade de Brasília (UnB) Francisco Antonio Coelho Junior, que orienta uma dissertação de mestrado sobre a rotatividade de funcionários na administração pública, o índice de 6,7% calculado pelo Ministério do Planejamento, apesar de baixo, precisa ser visto com cautela, uma vez que o órgão inclui apenas os cargos públicos do Poder Executivo Federal, o que representa uma restrição muito grande do universo de servidores.

Segundo o professor, os funcionários públicos apresentam, hoje, um novo perfil, que contribui para o aumento da rotatividade na administração pública. Na maioria das vezes, eles chegam ao órgão público com preparação que vai muito além da necessária para exercer as atribuições e responsabilidades do cargo.

Não é difícil encontrar profissionais com nível superior de educação exercendo funções de nível médio, por causa do maior número de vagas oferecidas e também da remuneração. “A pessoa começa a desempenhar as suas rotinas e, normalmente, não estabelece uma relação significativa com o trabalho. Ela não mantém um vínculo com aquilo que faz”, explica o especialista. Ele lembra ainda que é preciso ser levado em consideração, tanto pelos candidatos quanto pelo contratante, o chamado perfil profissiográfico. Trata-se do alinhamento do perfil das competências do ocupante com aquelas requeridas para exercer o cargo.

As possíveis soluções para a rotatividade passam pelo candidato — que precisa saber o que vai fazer depois de passar no concurso —, por adequações no serviço público e também no próprio processo seletivo. “Por vezes, pela questão constitucional da isonomia, só se premia quem estuda e não aqueles que apresentam perfil para o cargo. A avaliação cognitiva de aprendizado de certos conteúdos desconsidera as características da vaga”, destaca Francisco Coelho. Para ele, a avaliação psicológica incluída em alguns certames já uma tentativa de se adequar a essa realidade.

Vencidos os problemas na hora da seleção, o próximo passo seria trabalhar nas estratégias de gestão do desempenho e de desenvolvimento de competências que garantam a manutenção desse servidor. Parte desse processo requer uma reforma na legislação, mas a essência da mudança está na aproximação das chefias aos subordinados, o que depende apenas da capacitação das lideranças. No entanto, o professor acredita que a administração pública brasileira avançou bastante nesse quesito, se comparado a 20 anos atrás — mas ainda é preciso melhorar. “Os gestores das organizações públicas precisam atuar na promoção de um ambiente de trabalho que provoque a manutenção desse servidor. A remuneração é muito importante, mas, por si só, não é fonte de motivação. É como se o servidor, além do contrato de trabalho, passasse a estabelecer um contrato psicológico com a organização”, destaca. Francisco Coelho reforça o fato de que as empresas públicas, por serem de capital misto, têm menos amarras jurídicas para implementar mudanças do que os órgãos públicos clássicos.

Carreira  
Em busca da carreira ideal, o bacharel em direito Joaquim Alves Figueiredo, 37 anos, já trabalhou em quatro órgãos públicos. Formado em direito no Piauí, ele passou no primeiro certame em 2003, para o Banco do Brasil, onde atuou como escriturário. “Fiquei só quatro meses e saí para me dedicar a outros concursos públicos.” Depois da aprovação para analista judiciário no Superior Tribunal de Justiça (STJ), ele veio morar em Brasília e continuou a estudar. Três anos mais tarde, foi selecionado para o cargo de procurador da Fazenda Nacional. “Fui atrás desse cargo pela satisfação pessoal e pela estabilidade financeira”, conta. Mesmo satisfeito com a posição atual, ele segue com os estudos e pretende alcançar o posto de promotor do Ministério Público do Distrito Federal e  Territórios (MPDFT).  Para ele, transitar entre órgãos públicos nunca foi motivo de problemas. “Fui estimulado em todos os locais em que trabalhei. Sempre admiraram meus estudos.”

 

A engenheira agrônoma Jaqueline Dutra, 29 anos, também pensou no salário quando decidiu trocar o cargo de nível médio no Ministério da Integração Nacional por outro, de nível superior, no Ministério do Planejamento. “Há poucos concursos na minha área, então, tentei o certame do órgão apenas para me preparar para provas de nível superior. Acabei passando”, conta.

Tags relacionadas:

COMENTÁRIOS