Frigoríficos de Mato Grosso podem aderir ao pacto nacional pela erradicação do trabalho escravo - Portal de notícias CERS

Frigoríficos de Mato Grosso podem aderir ao pacto nacional pela erradicação do trabalho escravo

Por:
Atualizado em 18/08/2014 - 01:04

Representantes do setor de frigoríficos do Mato Grosso assinaram protocolo de intenções durante reunião com o Ministério Público do Trabalho e Ministério Público Estadual, em Cuiabá, com vistas a aderir ao Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo.

A adesão do setor ao pacto contribuirá de forma decisiva para a diminuição do trabalho em condições análogas à de escravo no Mato Grosso, já que um dos locais nos quais mais se detecta tal tipo de exploração são justamente as fazendas dedicadas à criação de gado, especialmente na região norte do Estado.

Com a ameaça de não poder escoar sua produção, por não encontrarem frigoríficos dispostos a comprar seus bois, espera-se que os produtores que ainda se valem da mão-de-obra escrava corrijam suas práticas. A adesão foi proposta pelo procurador do Trabalho Rafael de Araújo Gomes.

O pacto é uma iniciativa do Instituto Ethos, da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e da ONG Repórter Brasil. Ao aderirem ao pacto, empresas de diferentes setores da economia se comprometem a não comercializar com pessoas ou empresas que figuram na "lista suja" do trabalho escravo, sendo monitoradas quanto ao cumprimento do compromisso.

Na reunião também foram discutidas as condições de trabalho dos empregados para prevenir acidentes e mortes. Há duas semanas, um empregado da unidade do frigorífico Quatro Marcos em Alta Floresta (MT) morreu em um acidente de trabalho porque não usava equipamento de proteção individual.

O MPT tem hoje mais de 30 procedimentos investigatórios sobre frigoríficos, através dos quais são investigadas irregularidades no meio ambiente de trabalho, principalmente, no tocante a falta de equipamentos de segurança e proteção individual, excesso de jornada, não comunicação de acidentes de trabalho, entre outros problemas. 

De acordo com dados da Previdência Social de 2002/2005, os frigoríficos ocupam o terceiro lugar em ocorrência de acidentes de trabalho, sendo que 95% dos casos registrados ocorrem por falta de cuidados no manuseio de facas no setor de cortes. De acordo com dados do sindicato, o Estado de Mato Grosso tem hoje 26 milhões de cabeças de gado, sendo o maior rebanho do País.

Fonte: Assessoria de Comunicação Social da Procuradoria Regional do Trabalho da 23ª Região (Mato Grosso)

Tags relacionadas:

COMENTÁRIOS