Concurso da PF exige bom desempenho no teste físico - Portal de notícias CERS

Concurso da PF exige bom desempenho no teste físico

Por:
Atualizado em 18/08/2014 - 01:04

Postado por Ana Laranjeira      
Fonte: Correio Braziliense

A maratona para conquistar uma das 600 vagas no atual concurso da Polícia Federal vai além das várias horas de estudo teórico. Livros e questões dividem tempo com séries de corrida e natação. A prova de aptidão física da PF é considerada uma das mais difíceis dos certames para carreiras policiais e um erro muito comum dos candidatos é preocupar-se com ela somente após o resultado das etapas objetiva e discursiva, que devem ocorrer em 19 de agosto.

Assim, é preciso desenvolver uma rotina de preparação específica, que dê condições ao organismo do candidato de enfrentar o exame sem prejuízos à saúde. O professor de educação física Andrett Costa enfatiza a necessidade de se fazer um acompanhamento profissional e adequado a cada pessoa. “É muito perigoso começar a treinar por conta própria. Há o risco de aparecerem lesões”, explica.

Costa acompanha o psicólogo Fábio Massaroth, 28 anos, que vai prestar a prova para o cargo de escrivão. Três vezes por semana, o candidato treina força e resistência, mas, antes de iniciar o trabalho focado, teve de fortalecer o joelho esquerdo. “A gente teve que preparar o joelho do Fábio antes de começar os exercícios para que ele não ficasse prejudicado”, diz. Passada a fase de fortalecimento, Costa elaborou um roteiro com periodização para Massaroth. Em uma semana, por exemplo, procura-se melhorar a capacidade cardiorrespiratória; na outra, a velocidade de corrida. “A gente desenvolve o plano conforme o desempenho do aluno. É preciso estar atento à forma como ele está respondendo ao treino”, explica o preparador físico.

O tempo de preparo depende ainda se o candidato é sedentário ou não. Fábio já fazia musculação e precisou de dois meses para atingir o resultado esperado. Outro quesito que precisa ser levado em conta é a rotina de estudos do concurseiro. “Ele não pode ficar demasiadamente cansado, por isso, o professor deve adaptar o treino ao ritmo de preparação teórica”, explica Costa.

Um dos maiores adversários do candidato costuma ser ele mesmo. O estresse é um problema que precisa também ser contornado na prova de aptidão física. Por isso, o professor Costa explica que dificuldades como respiração acelerada e tremor não devem ser esquecidos no treinamento. “Não dá para ficar no limite do rendimento. É preciso estar um pouco acima do exigido, já que na hora o nervosismo pode reduzir o desempenho”, orienta.

Palavra de especialista   
Dieta balanceada

“O ideal é iniciar uma adaptação nutricional para o treino com antecedência. O candidato não deve se preocupar em consumir somente carboidratos, mas também alimentos ricos em antioxidantes e que reforcem o sistema imunológico, como os que têm zinco. A intensificação da atividade física pode gerar um quadro inflamatório e, para combatê-lo, é recomendável a ingestão de alimentos ricos em magnésio, por exemplo. Para reduzir a quantidade de radicais livres, que podem levar a lesões, é interessante consumir frutas cítricas e oleaginosas. Se for preciso, pode-se fazer uma suplementação, mas é preciso procurar um nutricionista.” Simone Rocha, presidente da Associação de Nutricionistas do Distrito Federal

O que diz o edital    
» Cargos: delegado (150 vagas), escrivão (350) e perito (100)        
» Salários: R$ 7.514,33 e R$ 13.368,68        
» Inscrição: até 9 de julho  
» Taxas: R$ 125 e R$ 150   
» Provas: 19 de agosto

Tags relacionadas:

COMENTÁRIOS